Image Image Image Image Image

Ritidoplastia

O tempo não pára! E infelizmente, com o passar dos anos, fatores como o tabagismo, exposição solar ou à poluição, má alimentação e a própria gravidade fazem com que a pele do rosto fique flácida, e que os tecidos da face iniciem um processo de atrofia e queda. Existem vários tipos de cirurgia de rejuvenescimento para correção dessa flacidez e reposicionamento dos tecidos da face. A nossa preferência é por um tipo de cirurgia que pode ser considerada um mini-lifting, não é tão agressiva e o descolamento dos tecidos é limitado, objetivando uma recuperação mais rápida e um resultado mais natural.

A cirurgia tem duração de cerca de 3 a 5 horas, e pode se prolonger se for associada à cirurgia das pálpebras por exemplo. O tempo de internação de 24 horas e a anestesia usada é a geral ou a local com sedação.

 

PERGUNTAS FREQUENTES:

 

1) Existe uma idade certa para realizar essa cirurgia?

Não existe uma idade certa, mas o momento certo. Pessoas que têm boa saúde, entendem os prós e contras do procedimento e tenham real indicação de serem beneficiados pelo procedimento, são bons candidatos. A maioria que se submete a esse procedimento situa-se entre 40 e 65 anos. Isto não impede que pessoas fora desta faixa realizem a cirurgia.

 

2) Quantos anos vou rejuvenescer? Vou ficar mais bonita?

É impossível responder a essa pergunta. Qualquer resposta direta como “10 anos” é mera especulação. Sabemos, sim, que é possível regredir em muito as marcas do incansável relógio do tempo. A cirurgia retira os excessos, ameniza a flacidez da pele e tecidos moles da face. Importante dizer que a cirurgia trata flacidez e não trata rugas. Rugas são amenizadas pela cirurgia, mas requerem outros tratamentos específicos. Observamos casos em que há rejuvenescimento de 5, 10 ou 15 anos. Porém, como não tratamos de ciência exata, ninguém pode prometer isso a você. Em relação a ficar mais bonita, respondemos o seguinte: a cirurgia não muda os traços básicos iniciais do indivíduo. Apenas restaura o que tinha antes e retira os excessos.

 

3) O resultado dura para sempre?

Nenhuma cirurgia plástica tem resultado eterno. Nem tampouco conseguimos prever quais casos manterão por mais tempo o resultado. Há pessoas que “perdem” parcial ou totalmente o resultado em 5 anos. Há casos em que o resultado é mantido após 20 anos. O processo de envelhecimento facial continua e progride sempre.

 

4) O resultado é muito visível?

A cirurgia de face precisa ser combinada com outros procedimentos para resultado completo (peelings, preenchimentos, botox etc). A cirurgia, em si, muda bastante o aspecto “tátil”, o “pegar no rosto e sentir mais firme”.

Visualmente a cirurgia isoladamente não traz (e não deve trazer) mudanças tão drásticas. Quando o tratamento completo é realizado, utilizando todos os artifícios disponíveis, as mudanças são mais “visíveis” e “palpáveis”.

Deve-se entender que a cirurgia facial é apenas parte de um tratamento que deve ser amplo.

 

5) As cicatrizes são muito grandes? Ficam visíveis?

O tamanho das cicatrizes é proporcional ao tamanho do procedimento. Em geral são cicatrizes facilmente camufláveis dentro do couro cabeludo. A nossa preferência é por uma cicatriz pequena, que se estende ao redor das orelhas, sendo que uma pequena parte delas é visível na frente da orelha, sendo esta ocultável com o cabelo. Reforço que cicatrizes são para sempre. Apesar de bons resultados serem obtidos por esse procedimento você tem sempre que imaginá-lo como uma “troca”. Trocará flacidez e algumas rugas por cicatrizes. Logo após a retirada dos pontos elas ficam bem marcadas. Isso resolve-se com o tempo. É preciso ter paciência para se chegar ao resultado final. É comum nesta fase ocorrer um “certo arrependimento” porque às vezes impressiona. Felizmente, passa logo. Assim que o resultado começa a ficar visível, percebe-se que o sacrifício valeu à pena.

 

 

6) Ouvi dizer que fica muito inchado e feio no começo, é verdade?

O inchaço e as marcas roxas dependem do tamanho da cirurgia e de características individuais. Nos primeiros dias fica bem inchado, sendo recomendado ficar em casa, com constantes compressas de água fria no rosto para diminuir o processo de inflamação. Não dar ouvidos a comentários comparativos com outras pessoas também ajuda. Ouça seu cirurgião e tire suas dúvidas somente com ele. Comentários do tipo “será que não houve nada de errado” ou “a cirurgia de fulana não foi assim” não ajudam e somente aumentam a ansiedade.

 

7) Quais os riscos dessa cirurgia? Sou fumante, posso fazer?

Toda cirurgia tem risco. Apesar de essa cirurgia não ser grande, é muitíssimo delicada. A face tem inúmeros pequenos músculos e nervos. Estruturas muito frágeis. O funcionamento de parte deles pode ficar prejudicado no início, causando certa angústia. Mas isso é transitório para a maioria absoluta deles e resolve-se espontaneamente. Entretanto, lesões definitivas de estruturas faciais são descritas na literatura médica e não são impossíveis, apesar de muito raras.

Outra possível evolução desfavorável é a “necrose” da pele (a pele morre, não cicatriza e abre ferida). Esse desagradável fato é muito mais frequente em fumantes e pacientes com doenças crônicas não controladas (diabetes, hipertensão descontrolados). O cigarro é um grande vilão para esta cirurgia. Discuta com seu médico se o risco vale a pena no seu caso específico. É uma cirurgia já muito antiga, pesquisada e difundida. Milhares de pessoas já a realizaram no Brasil, com resultados muito bons. Mas, promessa de resultado 100% perfeito, infelizmente nenhum ser humano pode dar. Estima-se que o risco não seja maior que atos comuns do cotidiano como viajar de carro, avião ou atravessar a rua.

 

 

8) Em quanto tempo vejo o resultado definitivo?

Não se deve esperar o resultado antes de 3 meses. Sabe-se que ainda haverá mudanças até 6 meses ou até 1 ano.

 

9) Quais os conselhos para quem pensa fazer esta cirurgia?

Não buscar nem esperar mudanças drásticas. Prepare-se bem. Faça todo o “check up” cardiológico, controle de pressão e diabetes (se for o caso). Cigarro não combina com essa cirurgia. O risco é demasiadamente alto.

A cirurgia é apenas parte do tratamento. Será necessário, na maioria das vezes, complementar com peelings, preenchimentos com ácido hialurônico, Botox® para alcançar um bom resultado.

Leia, informe-se, pesquise e converse bem com seu cirurgião antes de deitar na mesa cirúrgica.